Limites: do abismo ao trampolim

Frequentemente utilizamos os pronomes possessivos para defender o que é nosso, para atestar a quem pertence. Porém, faz-se necessário que entre nossos pertences estejam também elencados os nossos limites. Afinal, quem disse que ter limite é coisa negativa?

Reconhecer nossos limites é passo imprescindível para quem quer vencer os obstáculos da vida, pois na ilusão de anulá-los ou de ignorá-los, corremos o risco de acentuar a nossa vulnerabilidade.

Muitos de nós permitimos que nossa vida seja saqueada por não levarmos em conta esta realidade: temos limites. Todavia, uma segunda observação poderá ajudar-nos a perceber que tais paredes são estratégicas: elas têm a função de defender o nosso território. Os limites nos ajudam a perceber o quanto podemos fazer no espaço que temos.

Aproveite o dia de hoje para ajustar o foco da sua visão e encarar seus limites como oportunidades. Do contrário, o que poderia ser utilizado como escada, trampolim ou porta, pode não passar de um abismo esmagador.

A liberdade é verdadeira quando a fantasia dá lugar à realidade de que somos finitos e a partir desta constatação buscamos saciar a nossa sede pelo infinito, pela plena liberdade, na fonte correta. Lembre-se do que disse Jesus: “sem mim nada podeis fazer” (Jo 15, 5).

Deus abençoe o seu dia!

Seu irmão,
Padre Edmilson Dias
Maranathá, vem Senhor Jesus!

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

Padre Edmilson Dias

↑ topo